Precisamos falar sobre isso: violência contra mulheres aumenta no período de isolamento

Uma em cada três mulheres em todo o mundo já sofreu violência física e/ou sexual, mas “é provável que esta crise piore como resultado da pandemia” do novo coronavírus (Sars-CoV-2). Isso é o que aponta o relatório “A sombra da pandemia: violência contra mulheres e meninas e Covid-19”. O documento foi divulgado em abril pela ONU Mulheres, entidade da Organização das Nações Unidas para igualdade de gênero e empoderamento.

 

O secretário-geral da ONU, Antonio Gutierrez, disse em um comunicado no começo do mês que “nas últimas semanas, à medida que as pressões econômicas e sociais e o medo aumentaram, vimos uma onda global horrível de violência doméstica” e que em alguns países, o número de mulheres que telefonam para serviços de apoio dobrou. No Brasil, a situação é semelhante.

 

Em Caxias do Sul, os dados também preocupam: números dos atendimentos do Centro de Referência da Mulher, coordenado pela Prefeitura de Caxias do Sul, diminuíram consideravelmente. Isso significa que muitos casos deixaram de ter acompanhamento dos responsáveis, deixando as mulheres à mercê da violência. Precisamos fazer a nossa parte!

 

O Grupo Brinox, enquanto membro da Rede Municipal de Apoio, defende a causa e incentiva, por meio de campanhas internas, a buscarmos a fala e o auxílio em casos de violência. A empresa promove ainda cursos de formação humana e rodas de conversa, além de contar com o apoio de uma assistente social para resolução e acompanhamento de casos.

Por isso, lançaremos nos próximos dias uma série de conteúdos em nossas redes sociais que visam promover debates acerca do tema. Vamos juntos nessa?

 

Centro de Referência da Mulher

A equipe do Centro de Referência está realizando o monitoramento e orientações às mulheres atendidas pelo telefone (54) 3218.6112. Em caso de urgência, a mulher deverá ligar para o 180 ou se dirigir ao plantão da DPPA – Plantão da Polícia, no bairro Jardim América.

 

Importante: informações e orientações sobre Registro de Ocorrência podem ser registradas na Delegacia Especializada de Atendimento da Mulher, pelo telefone (54) 3220.9280.

teste vaga